EFZIL 0202!*

Meu 2020 abriu o bico. Não no dia primeiro, mas na segunda semana de janeiro.

Estava no escritório quando estalidos no vidro ouvi. (Soava tudo meio como o I-Juca Pirama). Eram bicadas. Em tupi.

Virei o pescoço na direção das pancadas e vi o pássaro admirável.

Um tucano.

Solto, livre, dando um tempo no parapeito da janela. Um extraterrestre verde e cabeçudo me espantaria menos.

Olhava pro bicho e me perguntava: É belo ou assimétrico? Ou belo, apesar de assimétrico? Ou belo, porque assimétrico? Ou assimétrico, por isso belo?

Um tucano enxovalha os adjetivos.

Mas o que queria ele naquela manhã esmeralda, aqui, no remoto bairro curitibano do Pilarzinho ?  

Entrar?

Procurava o quê? Um livro?

Alguma obra que explicasse a sua milagrosa arquitetura? Ou estava atrás de saber o que maldiziam dele aqueles sujeitos envolvidos em grossos e volumosos panos, montados em altas e esguias antas, que andavam pelas matas do Brasil uns 500 anos atrás, chalreando uma língua estranha? Sabia que o chamavam de ranfastídeo e por isso bicava por vingança? Sobrara pra mim essa vindita?

Tratados da Terra e Gentes do Brasil, de Fernão Cardim (c.1583-1601)

Bicou mais uma vez, mais outra e outra até que entendi: não queria entrar, me chamava pra sair.

Me chamava pra voar com ele nas asas daquele dia transparente. As laudas de revisão largar?, o controle de alterações do Word desativar?, o plano de aula de língua portuguesa rasgar?, a aba do Houaiss fechar e me jogar?

(No caso são seis metros de altura da janela até o chão, caro leitor, cara leitora.)

Eis o que ouvi do seu chalrear (ou grasnar, ou palrear ou…):

“– Vem, venha!

Desengonçado que seja.

– Vem, venha!

Nem os óculos pega.

– Vem, venha!

Ignora o bancário saldo.

– Vem, venha!

Os alunos? Larga.

– Vem, venha!

Defenestra-te do Instagram.

–Vem, venha!

Liberta-te do Google.

– Vem, venha!

Ignora os hipermegaconglomerados heteromidiáticos do Vale do Silício!

– Vem, venha: 2020, 0202, 2002, 2200, 0022…!”

Aos poucos, as palavras se desfizeram até silenciarem. Despertei num salto e ouvi a última bicada antes do ranfastídeo se mandar.

Atordoado com aquele grasnatório tupi-bacharelesco, me pus a pensar: seria uma mensagem cifrada (ou chalreada, ou grasnada ou…)? Algo como: pula fora, que este ano não vai ser fácil!

Seria isso, caro leitor, cara leitora?

Pondo as barbas (ou o bico) de molho, desejo-lhes, caros leitores, caras leitoras, um bom retorno ao Corrida Letra e um Efzil 0202!


*A foto do Tucano foi tirada por Maria Adriana C. Cappello

Um comentário em “EFZIL 0202!*

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s